FENPROF protesta nos centros de emprego

.

A Federação Nacional dos Professores realiza hoje ações de protesto em centros de emprego de vários pontos do país, no primeiro dia de aulas do ensino especial.

A Federação Nacional dos Professores (FENPROF) marca hoje presença em vários centros de emprego do país para contestar a situação em que se encontram milhares de docentes que na sua opinião fazem falta às escolas.

“Milhares de docentes que são necessários às escolas ficarão desempregados este ano, por decisão do Governo”, anunciou a estrutura sindical ainda antes do resultado do concurso para professores contratados, divulgado na sexta-feira.

De acordo com o Ministério da Educação, foram colocados no âmbito daquele concurso 7.600 professores, menos 5147 face ao mesmo período do ano passado.

Concorreram a este concurso 51.209 candidatos, o que significa que 43.609 não conseguiram trabalho.

“Maior despedimento coletivo”

Relativamente à redução das contratações face ao ano passado, a FENPROF diz que são consequência imediata de medidas impostas pelo Ministério da Educação, destacando a “criação de mais 150 mega-agrupamentos, a revisão da estrutura curricular nos ensinos básico e secundário, o aumento do número máximo de alunos por turma ou o encerramento de mais escolas do 1.º Ciclo”.

Para a FENPROF, está em curso “o maior despedimento coletivo já realizado em Portugal”.

A federação de sindicatos decidiu realizar hoje ações de protesto em vários pontos do país por se tratar do primeiro dia de aulas, embora apenas para o ensino especial.

A grande maioria dos alunos, do pré-escolar ao secundário, começa as aulas na próxima semana.

(Rede Expresso)