CRÓNICA DE FARO: “Dispam as camisolas…”

OPINIÃO | JOÃO LEAL

Estamos integralmente de acordo com a exposição enviada, com toda a premência e atualidade pelo “Movimento dos Utentes da EN 125” aos deputados eleitos pelo Círculo do Algarve à Assembleia da República no que se refere ao caótico e infernal estado do piso daquela avenida que se estende ao largo da terra sulina desde Vila Real de Santo António a Lagos, no troço compreendido entre a “Cidade do Iluminismo” e Olhão.
De há algum tempo que não circulávamos na mesma mas em recente viagem tivemos o desesperado ensejo de sofrer na condução com a proliferação dos buracos que se estendem das valetas a todo o pavimentado, talvez naquela que foi classificada como “estrada da morte”, no nosso dizer no “maior campo de golfe do mundo”. Só que aqui temos a cada instante a tragédia, o drama, o acidente.
Existem mais que fundadas razões para o apelo, mais um e mais uma vez, demonstração de não quebrar o ânimo dos objetivos que o motivam, dirigida aos que foram eleitos para defender os interesses da região e as vidas de quantos na Estrada Nacional 125 transitam e os prejuízos, de elevado montante que no quotidiano acontecem por via da não conservação da mesma.
É altura mais que suficiente e de há muito com todos os prazos, orçamentos e planos ultrapassados no plano prático, para que os deputados abandonem interesses e querelas partidárias (‘Dispam as camisolas’), sem abdicarem democraticamente das suas convicções partidárias e a uma só voz juntarem-se ao “Movimento dos Utentes da E.N.125” para que imediata reparação desta via fundamental para o Algarve aconteça!

 

João Leal