Avaria em hospital obriga doentes a repetirem operação

A operação lasik é das mais utilizadas para tratar doenças dos olhos

O hospital Gama Pinto operou, a laser, doentes que queriam reduzir a miopia, mas um problema numa máquina levou a uma segunda cirurgia

.

Uma avaria num aparelho de laser do Hospital Gama Pinto, em Lisboa, obrigou os doentes, que foram operados à miopia, a sujeitarem-se a uma segunda operação, apurou o Expresso.

Contatada a diretora clínica do hospital, Luísa Coutinho Santos disse ao Expresso desconher quantos doentes foram afetados e quanto tempo o aparelho esteve avariado, acrescentando que só o chefe de serviço da área, que está de férias, é que tem essa informação.

A diretora adiantou apenas que terão sido poucos os doentes afetados. “A primeira operação correu mal, mas depois a segunda correu bem”, afirmou.

O Expresso sabe, no entanto, que um dos doentes, operado em julho, teve um pós-operatório complicado.

O paciente, que prefere manter o anonimato, esteve mais de uma semana à espera da segunda operação e com a mobilidade bastante reduzida. Durante o tempo em que esteve à espera de ser operado, não podia sair de casa sem ser acompanhado, por não poder usar lentes de contacto nem óculos.

O Expresso também sabe que o técnico que, em Julho, podia arrajar o aparelho estava fora de Lisboa, o que obrigou a que os doentes tivessem de esperar ainda mais tempo.

“Nem todas as marcas das máquinas que temos têm um representante em Lisboa, isso não é uma escolha nossa”, diz Luísa Coutinho Santos.

O hospital Gama Pinto faz, durante o ano inteiro, este tipo de cirurgia, denominada lasik, é uma intervenção a laser das mais utilizadas para corrigir diversas doenças oftalmológicas

Carolina Reis (Rede Expresso)