Qualidade e valorização do sal de Castro Marim dominam tertúlia com empresários

.

Salineiros e empresários de salicultura debateram, esta segunda-feira e ao longo de três horas, a importância do sal no tecido económico e social de Castro Marim, na tertúlia “Sal de Castro Marim, o Melhor do Mundo”, organizada pelo Jornal do Baixo Guadiana e pela empresa municipal NovBaesuris.

O encontro, que teve lugar no Revelim de Santo António, na vila de Castro Marim, contou a presença interessada de dezenas de pessoas.

Tratou-se de um debate entusiasmado em torno das questões do sal e da salicultura. Na ocasião, a presidente do Conselho de Administração da NovBaesuris, Célia Brito, salientou o papel do sal na economia do concelho e as oportunidades de negócio para aquele que é conhecido como o ouro branco de Castro Marim, referindo o significativo aumento de vendas de sal tradicional e flor de sal. A concluir, referiu a necessidade urgente de concretizar o processo da DOP (Denominação de Origem Protegida) para o sal de Castro Marim, que ainda se encontra em desenvolvimento.

Pedro Pires, técnico de património cultural da NovBaesuris, enquadrou historicamente as origens e a ligação do sal com Castro Marim, cujo aparecimento remonta à época dos fenícios, tendo afirmado que em 1790 existiam em Castro Marim 97 salinas, que ocupavam 298 salineiros.

A fechar o primeiro dos dois painéis que integraram a tertúlia, a vice-Presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Filomena Sintra, fez uma retrospetiva da evolução do sal em Castro Marim nos últimos 18 anos.

A autarca falou do ressurgimento da atividade salineira em Castro Marim a partir de 2000 e recordou a importância do encontro de alguns salineiros e empresários locais com salineiros de Guérande, cidade francesa geminada com Castro Marim, cuja base económica radica na indústria do sal. Referiu ainda os investimentos realizados pelo município na promoção do sal, designadamente a construção da Casa do Sal, na sede do concelho, um projeto que alia a cultura ao sal de Castro Marim.

O segundo painel da tertúlia, moderado por Susana Sousa, do Jornal do Baixo Guadiana, teve como oradores convidados os empresários Fernando Reis, da Pedaços de Mar, Jorge Raiado, da Sal Marim, Luís Horta Correia, da Água Mãe, e Luís Rodrigues, da Cooperativa Terras de Sal, que partilharam as suas expectativas para o futuro da atividade, nomeadamente o escoamento e a valorização do sal, a criação de espaços físicos de apoio à atividade salineira, a necessidade de intensificar a união entre os salineiros, a internacionalização do sal, o papel da concorrência na produção e comercialização do sal ou ainda a transformação do sal num produto de merchandising.

Esta iniciativa subordinada ao sal de Castro Marim foi a primeira de várias tertúlias que a NovBaesuris pretende realizar em parceria com o Jornal do Baixo Guadiana “a bem do futuro e do desenvolvimento sustentado do território algarvio”, referem os responsáveis.

You must be logged in to post a comment Login