“Notas de um viajante”

OPINIÃO | ERASMO LÓPEZ

Conheci Portugal em Angola, durante os dois anos que vivi neste país, no final dos anos 80 do século passado. Sempre que eu parava para admirar algumas de suas construções, não era necessário que esclarecesse para mim que era uma construção portuguesa; Viveu em uma cidade que os nativos chamavam de “Huambo”, mas em todos os mapas surgiram com o nome de “Nova Lisboa”, e estar no coração do platô da África Central, era uma cidade moderna e de construções fortes e bonitas, todas elas portuguesas. Tudo isso me fez sentir um interesse especial em conhecer Portugal.
A primeira vez que andei nesta terra iluminada há 10 anos, o primeiro lugar que conheci foi a cidade cativante de Lisboa, fiquei impressionado com os seus monumentos, as ruas estreitas e empedradas me deslumbraram e me apaixonei por seus bondes nas encostas íngremes Adornado com lanternas antigas e românticas.
Então eu pude conhecer, pouco a pouco, o resto do país, onde vivo hoje, são belas aldeias brancas onde o silêncio permanece durante a noite e faz você ser cúmplice, cheio de pequenos restaurantes que o pega e faz você pensar que você tem de voltar para casa; Possessores, além de iguarias típicas como o “cozido há portuguesa”, e as mil e uma maneiras de preparar o bacalhau, e isso os torna possuidores de uma fama bem merecida em todo o mundo; Eu sou transferido para outro mundo, são castelos bem preservados, com toda a história deles, seu amor e cuidado com seus animais, suas terras, seus campos, seus rios e suas praias, mas o que mais maravilha é o viajante é o seu povo, o homens e mulheres que compõem esta cidade. Cavalheiros difíceis, distinguidos pela sua honestidade e suas poucas palavras, reservadas ao extremo, incapazes de dar uma nota discordante, com uma invejável simplicidade, mas uma força física e mental à prova.
Agora, de Portugal, suas mulheres são a jóia mais autêntica de sua coroa, este país precioso e único, suas damas distinguem-se pela beleza e, ao mesmo tempo, com a sobriedade, mas acima de tudo, pela força de alma e espírito, sua aparência externa não é o que mais lhes interessa, é bonito porque é, mas eles estão mais preocupados com o fato de que seu humanismo é visto do que seus atributos físicos. Eles se apaixonam por sua bondade, sua simplicidade e sua dedicação, defendem a família e sua unidade acima de tudo, mesmo que saia saúde, esforço físico, gosto ou desgosto, tudo; São um exemplo de fidelidade total, lutando lado a lado com seus maridos em pé de igualdade, para impulsionar a família e seus projetos de vida. A mulher portuguesa dá tudo sem dúvida até o fim, o que o torna inigualável e irrepetível, é daqueles seres que carregam um monumento no lugar mais alto e visível, para todo viajante que, como eu, chega e não tenha trabalho para planejar a fim de conhecer a vida, a história e o melhor deste povo nobre.
São as mulheres, as avós, as mães e as esposas, com a própria existência, que lhes permitiram chegar aqui.
Como José Marti, o maior dos cubanos, disse: “Nós, os homens, devemos fazer muito para merecer essas mulheres, muitos deles têm que fazer para agradar a pátria que olha para eles com orgulho”. O.C., T: 19, página: 440.

*Máster em Ciencias Sociais e Políticas
Erasmo Lazcano Lópes

You must be logged in to post a comment Login