Lagoa celebrou feriado municipal com história, arte e música

.

O município de Lagoa assinalou o feriado municipal, no passado dia 8 de setembro, com a reabertura da biblioteca municipal, a abertura de uma exposição sobre a Adega Cooperativa de Lagoa, a inauguração de um painel evocativo do mestre Fernando Rodrigues, patrono da Escola de Artes, e a habitual animação no largo da igreja matriz.

Ao início da tarde, a biblioteca municipal reabriu as suas portas – após obras de ampliação e reestruturação, que se prolongaram por alguns meses – apresentando novos espaços e novo equipamento mobiliário. Na sala polivalente foi inaugurada uma exposição de pintura de Patico, mostrando os seus “20 anos com Arte”.

Após a visita, as entidades e convidados seguiram para o arquivo municipal, onde foi inaugurada uma exposição sobre a história da Adega Cooperativa de Lagoa, abordando as suas origens, formação, organização administrativa, produção e evolução de técnicas de laboração, aquisição do seu edifício e fases de alargamento, entre outros aspetos, mostrando a sua elevada importância económica, social e na divulgação de Lagoa em Portugal e também além-fronteiras.

Seguiu-se, na Escola de Artes, a inauguração do painel evocativo do mestre Fernando Rodrigues, uma obra em cerâmica da autoria do artista Ricardo Crista que representa fielmente a imagem do patrono daquela escola. Na oportunidade, o presidente da assembleia municipal, Águas da Cruz, relembrou-o como “uma pessoa de enorme simpatia com uma grande paixão pela sua terra, são estes homens a nossa gente que correspondem ao grande estímulo que nós temos para continuar a defender a nossa terra e as nossas gentes”.

Por sua vez, o presidente da câmara, Francisco Martins, realçou que “o primeiro contacto com o mestre foi em 2002, enquanto vereador responsável pela área da cultura, ao visitar este espaço vi os sonhos que ele tinha para o mesmo e então assumi desde logo que era para fazer e assim foi. Hoje quando aqui passo sinto-me orgulhoso desta obra principalmente por sentir que era este o sonho de que o mestre me falava em 2002 e em sua memória tem de perdurar para sempre”.

À noite e para fim de festa, dois espetáculos de caraterísticas diferentes encheram por completo o Largo dos Combatentes e o átrio da igreja matriz: no dia 7, Ricardo e Henrique e, no dia 8, o artista das multidões Marco Paulo, a que se seguiu, à meia-noite, o fogo de artifício que encerrou as comemorações.

JA