CRÓNICA DE FARO: Milhares de luzes numa obra ímpar

OPINIÃO | JOÃO LEAL

Como é a tradição, acendem amanhã, 1 de dezembro, ao cair do dia, os milhares de lâmpadas que entrelaçadas nas árvores do secular edifício do Refúgio Aboim Ascenção, anunciam à cidade e ao mundo, que é tempo de Natal. Aliás, na chamada “casa cor de rosa” é-o durante todo o ano, pois o espírito natalício ali acontece com amor, carinho e fraternidade, no acolhimento a, já, milhares de crianças que encontram um lar acolhedor que lhes fora negado.
A Instituição Refúgio Aboim Ascenção, antes em Lisboa e a partir dos anos 30 do século XX em Faro pelo espírito, determinação e solidariedade desse homem de bem que foi o coronel de engenharia Manuel Aboim Ascenção de Sande Lemos, na plena continuidade de um espírito familiar, tem uma história ímpar de amor solidário vocacionado para as crianças e por elas vivido. Desde que o coronel Luís Villas Boas Rebelo Marques assumiu, há décadas, a direcção do Refúgio, este conheceu uma vida nova num tempo novo, que o fez uma instituição exemplar a nível mundial, reconhecida e eleita como modelo na protecção aos mais novos e englobando todos os aspectos – o social, o jurídico e o educativo. Sucedeu a aliança desejada e nem sempre alcançada entre o Estado, como poder instituído e a sociedade civil, num entendimento de grande prestabilidade e validade, com dezenas de casos que o concretizam.
“Luzes na cidade” ou a “Cidade com a Luz do Natal” é um tema em que todos estamos comprometidos pela adesão, colaboração e voluntariedade que cada um deve prestar a uma obra que a todos importa e a todos compromete pois é o futuro, o amanhã e o porvir da sociedade portuguesa que estão em causa.
Cartão de Boas Festas estas luzes natalícias do Refúgio são milhentos corações a palpitar no amor que é devido ao Refúgio Aboim Ascenção!

João Leal