Algarve impedido de contratar médicos e enfermeiros? Ministro diz que não

.

A região algarvia está impedida de contratar médicos e enfermeiros, com a entrada em vigor, esta quarta-feira, de um decreto-lei que estabelece “uma redução de 35% por cento na contratação de pessoal para os hospitais, médicos, enfermeiros ou outros”.

A denúncia é feita pelo deputado social-democrata Cristóvão Norte, frisando que “a medida, por seu lado, ameaça os gestores hospitalares que violarem a norma, pois podem ser responsabilizados a nível civil ou criminal”.

O parlamentar eleito pelo Algarve salienta que “esta decisão desconsidera que o Algarve sofre de uma crónica dificuldade de recrutamento, em especial de médicos, mas também, de uma rotatividade no quadro de pessoal que exige que se façam sempre mais contratações para repor os níveis de resposta adequados”.

“O Algarve tem o menor número de médicos. Por 1000 habitantes tem menos de metade de Lisboa, Porto ou Coimbra, isto sem contar com a população flutuante. Abrem-se concursos, ficam vazios. Criam-se incentivos, surtem poucos efeitos. Temos, por exemplo, um dermatologista no Centro Hospitalar do Algarve! Como contratar mais perante esta situação?”, questiona Cristóvão Norte.

Já no final desta manhã, o ministro da Saúde esteve no Parlamento para reafirmar que o corte de 35% na contratação de médicos tarefeiros não vai provocar rutura no SNS. Adalberto Campos Fernandes assegurou que “o Algarve é uma exceção” por ser uma região onde existe “uma crónica falta de médicos”, pelo que a medida só será aplicada no Algarve “dentro de um ou dois anos”.

JA

You must be logged in to post a comment Login